2019-12-18

Numa altura em que «Sustentabilidade» surge como forte candidata a Palavra do Ano, a Contraponto publica «Vida Lixo Zero»

Livro de Ana Milhazes é impresso em papel 100% reciclado e a capa não é plastificada

Partilhar:
"Sustentabilidade" lidera a votação para Palavra do Ano em Portugal, no âmbito da já tradicional iniciativa promovida pela Porto Editora, e a Contraponto prepara-se para publicar um livro justamente sobre essa temática. Da autoria de Ana Milhazes – socióloga, formadora, instrutora de yoga, reconhecida ativista ambiental e a figura que lidera o movimento Lixo Zero no nosso país –, o livro chama-se Vida Lixo Zero e, no momento presente, constitui um guia essencial para um leitor consciente e informado.

Mas esta aposta da Contraponto não é só extremamente atual, é também responsável: o livro é produzido em papel 100% reciclado e a capa, por vontade da autora e da editora, não foi plastificada, como é habitual na grande maioria dos livros que se publicam.

Vida Lixo Zero estará disponível nas livrarias exatamente de hoje a um mês, a partir de 17 de janeiro de 2020.

Há um caminho para uma vida sem desperdícios. Ana ensina-o a quem dá os primeiros passos.
Público

Ana Milhazes, criadora do movimento Lixo Zero Portugal, procura levar o desperdício ao nível nulo.
Visão

Para Ana, mais do que reciclar, é preciso recusar e reduzir para prevenir a produção de lixo. Foi essa a missão com que se comprometeu em 2016, quando fundou o Movimento Lixo Zero, passando a encaminhar os restos alimentares para a compostagem e a dizer não ao plástico.
Diário de Notícias

A ambientalista Ana Milhazes adotou a meta "zero" e, desde então, praticamente não produz lixo. No apartamento onde mora, o saco da reciclagem está vazio, os resíduos orgânicos foram para a compostagem e o lixo reduz-se a meia dúzia de autocolantes.
Sábado

Ana trocou os lenços de papel pelos de pano, o algodão em rama por discos de tecido e o plástico da escova de dentes e da garrafa de água por bambu.
Correio da Manhã

Em 2017, Ana Milhazes decidiu deixar a área da informática e dedicar-se a tempo inteiro ao Ambiente. Para a fundadora do Movimento Lixo Zero, mais do que reciclar, é preciso produzir menos lixo.
Observador

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK