2021-03-18

O balanço de vida de uma das mais polémicas figuras da cultura portuguesa: Vasco Pulido Valente

Pouco mais de um ano após a sua morte, chega-nos «Uma Longa Viagem com Vasco Pulido Valente», da autoria de João Céu Silva. Através deste livro, ficamos a conhecer tanto a sua visão da história de Portugal desde o século XIX como o próprio historiador. Nas livrarias a 25 de março.

Partilhar:

Ninguém se esquece de Vasco Pulido Valente. Ensaísta, historiador, cronista e comentador político conhecido pelas suas afirmações polémicas e corrosivas. Pouco mais de um ano após a sua morte – que aconteceu a 21 de fevereiro de 2020 –, a Contraponto faz chegar às livrarias o novo livro da série Uma Longa Viagem, da autoria do jornalista João Céu e Silva, dedicada a grandes figuras da sociedade portuguesa, e desta vez com Vasco Pulido Valente como protagonista. Foram 42 as longas conversas entre o autor e o comentador político, que foram interrompidas a 20 de janeiro de 2020. Morreu cerca de um mês depois.

«Gostava de me ter dedicado à História do século XIX. Era o que deveria ter feito e nada mais. Deixar uma História completa desse século, que é tão importante para compreender o país que em grande parte ainda hoje somos», confessou Vasco Pulido Valente ao autor, numa das conversas iniciais que compuseram esta longa viagem. Uma viagem que começa com a fuga da família real para o Brasil em 1807 e que percorre mais de dois séculos da História do nosso país, até ser interrompida pela doença e morte daquele que foi uma das mais loquazes, lúcidas e acutilantes vozes da cultura e da comunicação social portuguesa.

Em mais de quarenta sessões com o autor ao longo de dois anos, Vasco Pulido Valente fez a análise dos acontecimentos mais marcantes da História e da política portuguesa dos últimos duzentos anos: das invasões francesas à implantação da República, da ascensão de Salazar até ao período pós-25 de Abril e aos dias de hoje.

Mas também nos fala da relação com Eanes, com Cunhal e, sobretudo, com Mário Soares, que considera o único fundador da democracia portuguesa; dos tempos do cavaquismo e de O Independente e da sua breve carreira na política, travada com a morte brutal de Francisco Sá Carneiro em Camarate. A esse respeito, confessa: «A minha vida foi cortada ao meio com esse acidente.»

Em Uma Longa Viagem com Vasco Pulido Valente, ficamos também a conhecer não só a História como o historiador, o homem através de cujos olhos a vemos, e que aqui faz um balanço da sua vida. Um homem que granjeou muitos inimigos à custa da sua prosa afiada e mordaz e uma das figuras mais polémicas da imprensa dos últimos quarenta anos.

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK